271212KleytonFantinNovosOnibus01
Foto: Kleyton Fantin
O sistema de transporte coletivo de Esteio teve uma avaliação positiva em estudo apresentado nesta quinta-feira (14) pelo Tribunal da Contas do Estado (TCE-RS). O Diagnóstico do Transporte Coletivo Urbano por Ônibus nos Estado do Rio Grande do Sul em 2014 analisou uma série de dados de 166 municípios que declararam disponibilizar o transporte coletivo urbano e/ou rural. O questionário foi realizado e consolidado em meio eletrônico e foi preenchido entre setembro e novembro do ano passado.

 

Os melhores índices de Esteio estão na idade dos veículos e no uso de ar-condicionado nos coletivos. O Município apresentou a menor idade da frota, com média de 2,9 anos por carro, e 100% com ar-condicionado instalado, índices que significam conforto aos passageiros. Só para se ter uma ideia da diferença neste último quesito, a segunda melhor cidade apresenta apenas 33% dos veículos com ar-condicionado. Outro primeiro lugar de Esteio é no salário pago aos motoristas, no valor de R$ 2.512 (Santo Ângelo é o segundo, com e R$ 2.435). Para efeitos de comparação, na Capital os motoristas receberam, em média, no ano passado, R$ 2.168 por mês).

 

No que diz respeito à acessibilidade, Esteio também figura entre os cinco primeiros municípios do Estado, com 95% dos veículos com equipamentos para facilitar o acesso dos cadeirantes. Apenas quatro cidades do Estado atingiram os 100% (Bento Gonçalves, Alvorada, Cachoeirinha e Farroupilha).

 

Planilha tarifária

A planilha tarifária de Esteio teve a menor cotação dos preços por litro de óleo diesel de todo o Estado. Com a exceção da cidade, todas as cotações ficaram acima do preço médio sugerido pela Agência Nacional do Petróleo. O Município teve, ainda, o segundo menor custo de rodagem por quilômetro, considerada a vida útil do pneu, e a terceira maior produtividade por ônibus (quilômetros rodados por veículo operante): 6.905 km.

 

Além disso, Esteio é um do seis municípios que declararam que possuem percentuais incluídos nas planilhas tarifárias que são ser revertidos ao órgão gestor do sistema de transporte, atendendo o disposto no Artigo 8º da Lei Nacional de Mobilidade Urbana, repassado 1%. Os outros são Caxias do Sul (1%), Gravataí (1%), Montenegro (1,5%), Porto Alegre (3%) e Rosário do Sul (3%).

 

Alguns números apresentados pelo relatório

Frota de 42 veículos - 16ª maior do Estado

Média de 2,9 anos por veículo – a frota mais nova do Estado (cidades com mais de 20 veículos)

Ar condicionado em 100% dos veículos – o maior percentual do Estado

Salário dos motoristas de R$ 2.512 – o maior do Estado

Acessibilidade universal de 95% - quinta maior do Estado

Média de 506.826 passageiros/mês transportados – 13ª maior do Estado

Receita mensal estimada por ônibus de R$ 31.978 – 3ª maior do Estado

 

Veja aqui o relatório completo