20140624 AdrianoRosadaRocha ReuniaoGGIM abre
Fotos: Adriano Rosa da Rocha e Eduardo Baratto Leonardi
Em uma escala de zero a 10, os 400 moradores de Esteio que responderam à pesquisa de vitimização no Município deram uma nota média de 5,4 para a sensação de segurança no Município. Esse e outros números estão no relatório do levantamento, divulgado na manhã desta terça-feira (24), em reunião do Gabinete de Gestão Integrada Municipal (GGI-M), realizada na Prefeitura esteiense, que também teve a apresentação dos primeiros indicadores do Registro Online de Violência nas Escolas (Rove).

“Com os dados, podemos trabalhar melhor do que no escuro ou com informações pulverizadas. A partir destas informações, será possível reorganizar e focar nossas ações”, afirmou o prefeito de Esteio, Gilmar Rinaldi.

Na pesquisa, quando questionados se os entrevistados ou alguém que mora na mesma casa tiveram algum bem furtado ou roubado nos últimos dois anos, 75,8% responderam que não. Já 84,5% afirmaram não ter sofrido violência física ou grave ameaça. De modo geral, 34,6% dos entrevistados que passaram por situação de violência não registraram ocorrência em nenhum órgão policial.

Para os entrevistados, o principal problema da segurança pública é a falta de policiamento (53,3%), seguido do consumo de drogas (16,8%, inclusive álcool) e os casos de furtos e roubos (14,5%). Para 33,8%, as drogas contribuem para o aumento da violência. O segundo motivo seria a falta de policiamento (10%) e, em terceiro, empatados com 8,3%, a situação econômica das pessoas e a impunidade.

O estudo buscou identificar, também, casos de acidentes de trânsito (tentando identificar se a situação foi causada por problemas de estrutura da via ou por falha do condutor), questões sobre consumo de álcool e drogas ilícitas, e a opinião sobre pontos relevantes para a segurança pública, como iluminação, poda de árvores, conservação de praças e parques e acesso a creche e moradia.

Foram entrevistados 400 moradores de Esteio nos dias 23 e 24 de abril para a pesquisa. A amostra foi realizada em pontos de grande fluxo no Centro da cidade, abordando homens e mulheres de todos os bairros de Esteio. Como as respostas abrangem não só quem responde às perguntas, como também as pessoas de sua relação, estima-se que o conjunto total para análise chegaria a 2 mil pessoas. Os resultados obtidos serão utilizados no planejamento de ações de segurança pública na cidade.

O nível de confiança da pesquisa é de 95%, com margem de erro de 5%. O levantamento foi realizado pelo Observatório da Segurança Pública de Esteio, com o apoio do software Sphinx, o mesmo utilizado no Registro Online de Violência nas Escolas (Rove) do Município, na pesquisa sobre o transporte coletivo e na identificação do perfil dos condutores flagrados na Operação Balada Segura.

O GGI-M é a integração entre forças de segurança do município (Guarda Municipal, Polícia Civil e Brigada Militar) com órgãos da Prefeitura, como secretarias municipais, Vigilância Sanitária e Conselho Tutelar.

 

Primeiros dados registrados pelas escolas no Rove são apresentados

Desde o início do ano letivo, as escolas da rede pública municipal de Esteio contam com uma ferramenta para apoiar no combate à violência no ambiente escolar, o Registro Online de Violência nas Escolas (Rove). Após um período de capacitação para uso da ferramenta, todas escolas municipais de Educação Infantil e centros municipais de Educação Básica iniciaram a inserir dados no software, efetivamente, em maio. Ele permitirá identificar as situações causadoras de conflito nas instituições de ensino e planejar soluções.

O sistema conta, até hoje, com 221 ocorrências registradas. Destas, 155 foram resolvidas em contato direto com familiares dos estudantes.

A maior frequência de casos de violência nas escolas aconteceu no período da manhã (7h às 12h), com 58,8%. As principais situações foram indisciplina, desacato a professores, briga entre alunos e desinteresse em aula. “Cabe, agora, identificar se estes casos estão relacionados a questões do aluno, como frequência, situações familiares ou no bairro, ou se a escola não tem uma proposta adequada para o estudante”, comentou Gilmar.

Em 46,2% casos foram registadas agressões. A motivação foram brincadeiras de mau gosto, desentendimentos, revidação e discriminação por características físicas.

A partir dos gráficos e informações gerados no sistema, será possível obter um diagnóstico da situação de cada escola. Os dados permitirão, também, detectar situações na comunidade escolar e no entorno das instituições de ensino, ampliando, se necessário, as ações de prevenção e combate à violência para toda a região.

 

Reunião teve apresentação de projeto da Brigada Militar, solicitação à Policia Civil e assinatura de convênio de recursos para Corpo de Bombeiros

Ainda durante a reunião desta manhã, o comandante do 34° Batalhão de Polícia Militar de Esteio, Ten Cel Egon Kvietinski, apresentou o programa Aluno Cidadão. A iniciativa busca, na educação, uma forma de fazer segurança através da prevenção. O projeto foi adotado em Alegrete, em Vacaria, e em quatro Territórios de Paz de Porto Alegre. O prefeito Gilmar Rinaldi se comprometeu a marcar uma reunião conjunta entre as secretarias municipais de Segurança e Mobilidade Urbana e de Educação e Esporte para aderir à ação.

Gilmar fez, também, a entrega de um ofício ao delegado regional da Polícia Civil, Fernando Soares, solicitando, entre outras coisas, uma nova delegacia para o Município.

Um convênio para repasse de recursos do Conselho Municipal de Segurança Pública (Consepro) ao Corpo de Bombeiros de Esteio também foi assinado. Os valores chegam a R$ 48 mil.

Uma outra pauta foi a reestruturação do GGI-M, em atendimento ao determinado em portaria da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp). Serão criadas câmaras temáticas para tratar de questões de legislação, prevenção à violência nas escolas, prevenção à violência contra a mulher e trânsito.

 

Município apresenta redução em indicadores de segurança pública no primeiro trimestre deste ano

Conforme os dados apresentados pela Secretaria de Segurança Pública do Estado, Esteio apresentou redução em números da violência no primeiro trimestre de 2014, em relação ao mesmo período do ano passado.

Furto de veículos: 58 (2013); 34 (2014)
Roubo de veículos: 40 (2013); 24 (2014)
Roubos: 186 (2013); 174 (2014)
Furtos: 449 (2013); 443 (2014)
Homicídio doloso: 3 (2013); 3 (2014)

 

Pesquisa de vitimização em Esteio – alguns aspectos

A sensação de segurança em Esteio teve média de 5,4, em nota de 0 a 10

Nos últimos dois anos, você ou alguém que reside na sua casa teve algum bem furtado ou roubado (incluindo veículo)?
Não: 75,8%

Nos últimos dois anos, você ou alguém que reside na sua casa foi vítima de violência física ou grave ameaça (exceto violência intrafamiliar)?
Não: 84,5%

Principais problemas de Esteio
Falta de policiamento (especialmente ostensivo e nas escolas): 53,3%
Drogas (consumo - inclusive álcool e tráfico): 16,8%
Furtos/Roubos: 14,5%

Fatores de aumento da violência
Drogas: 33,8%
Falta de policiamento: 10%
Situação econômica das pessoas: 8,3%
Impunidade: 8,3%

34% dos entrevistados não registram ocorrência em nenhum órgão policial

Quando à violência nos últimos dois anos:
60,8% acredita estar maior
27,3% acredita estar igual
9,3% acredita estar menor

Quanto à Brigada Militar, nos últimos dois anos
48% - melhorou
46,3% - piorou

Quanto à Polícia Civil, nos últimos dois anos
40,5% - melhorou
42,4% - piorou

Quanto à Guarda Municipal, nos últimos dois anos
35,4% - melhorou
45,5% - piorou

 

Registro Online de Violência nas Escolas (Rove)

Em operação nas 23 escolas municipais de Educação Infantil e centros municipais de Educação Básica de Esteio

221 ocorrências registradas até agora

155 situações resolvidas em contato direto com familiares dos estudantes.

A maior frequência de casos de violência nas escolas aconteceu no período da manhã (7h às 12h), com 58,8%. Principais situações: indisciplina, desacato a professores, briga entre alunos e desinteresse em aula.

Em 46,2% casos foram registadas agressões. Motivação: brincadeiras de mau gosto, desentendimentos, revidação e discriminação por características físicas.

gallery1 gallery1