20200818 Print LivePesquisaCovidEm uma transmissão online na página da Prefeitura no Facebook no início da tarde desta terça-feira (18), a secretária municipal da Saúde, Ana Boll, apresentou os resultados da sétima rodada de testes da pesquisa GPS COVID que está sendo realizada em Esteio. Também participaram da live, a coordenadora-geral da pesquisa e docente do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), Prof. Dra. Claudia Thompson, e a coordenadora do estudo junto à Unisinos, Nêmora Barcellos.

Realizada entre os dias 10 e 12 de agosto, a etapa de testes rápidos e entrevistas coletou dados de 531 esteienses. Destes, 18 apresentaram resultado positivo para coronavírus (COVID-19). Com os dados tabulados apenas nesta rodada, seria possível estimar que Esteio teria 2.820 moradores com a COVID-19 - um caso a cada 29 pessoas residentes na cidade. No dia 12 de agosto, o Município havia registrado, oficialmente, 875 casos positivos – para cada caso notificado, os dados da sexta etapa apontariam outros dois casos não notificados.

Entretanto, ao se fazer a análise dos dados de todas as sete etapas do estudo até aqui (as outras ocorreram de 18 a 20 de maio, de 1º a 3 de junho, de 15 a 17 de junho, de 29 de junho a 1º de julho, de 13 a 15 de julho e de 27 a 29 de julho), os 57 casos positivos em 3.734 testes realizados indicam que Esteio tem 1.270 casos positivos – um caso a cada 65 moradores. Isso significa que Esteio segue apresentando baixa subnotificação da doença, com menos de um caso não notificado para cada caso oficialmente registrado.


Escolha das residências para aplicação do teste é definida por sorteio
O projeto GPS COVID em Esteio tem como objetivo traçar, com base em dados do Município, um perfil epidemiológico, genômico e clínico do vírus SARS-COV2, causador do novo coronavírus (COVID-19). A iniciativa é uma parceria da Prefeitura Municipal com quatro instituições gaúchas de ensino superior (UFCSPA, Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, Unisinos e Feevale), envolvendo cerca de 50 pesquisadores.

Para a definição de quem será testado para a pesquisa, a equipe dividiu os 13 bairros de Esteio em 149 setores, cada um com 177 domicílios em média. Destes setores, 31 foram escolhidos por sorteio nas cinco primeiras rodadas. Na sexta e sétima rodadas em diante, foram analisados mais 31 setores, chegando a 62 setores no total. Neles, os pesquisadores definem, aleatoriamente, as casas onde as coletas serão feitas. Durante a visita às moradias, os integrantes do estudo, através de um aplicativo desenvolvido especialmente para ação, preenchem um questionário com o objetivo de identificar se os residentes apresentaram ou apresentam sintomas da doença, como febre, tosse e dificuldade para respirar, bem como informações sobre saúde, renda, cor da pele e idade, entre outros dados.

Após isso, os profissionais da saúde realizam a testagem rápida em todos os moradores da casa, coletando uma pequena amostra de sangue. A taxa de participação na pesquisa está em 92% dos moradores de cada residência. Os resultados, obtidos em 15 minutos de espera, são tabulados e analisados com auxílio de algoritmos e modelos matemáticos complexos, e apresentados para a Administração Municipal, permitindo ajustes nas ações de combate ao coronavírus. Pacientes que testem positivo para a doença recebem acompanhamento especial.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, até esta segunda-feira (17) Esteio registrava 930 casos confirmados de COVID-19, com 192 pacientes em recuperação, 738 curados e 42 óbitos. Outros 343 casos constam como suspeitos e 6.756 foram descartados, com resultado negativo para coronavírus. Mais de 8 mil testes já foram realizados no Município.


Estudo analisará 12 objetivos específicos
O levantamento inova ao realizar um amplo estudo epidemiológico, detalhado em 12 objetivos específicos, capaz de estimar a prevalência da infecção, acompanhar a evolução da doença, avaliar padrões moleculares virais por meio de sequenciamento genético e indicar evidências e estratégias para o fim do distanciamento social, entre outros possíveis usos.

A pesquisa também prevê o sequenciamento genético (análise da composição do vírus) das amostras positivas. Isso auxiliará a identificar padrões da doença, informações que serão comparadas com as disponíveis em bancos de dados públicos, no Brasil e no exterior, de pacientes com coronavírus e de casos registrados em outros surtos de síndromes respiratórias recentes (como a H1N1). A intenção é descrever a evolução do vírus, identificando suas eventuais mutações, as mudanças em sua capacidade de transmissão e a variação das manifestações clínicas apresentadas.

A Prefeitura dará acesso aos pesquisadores aos relatórios de exames moleculares coletados pelo Município, com uma estimativa de 3 mil pessoas testadas, bem como ao prontuário eletrônico de pacientes que apresentarem resultado positivo para COVID-19 (desde que a pessoa autorize o uso das informações). A intenção é disponibilizar os resultados do estudo para a comunidade em geral em um painel visual online (dashboard). Outro recurso eletrônico que permanecerá como legado para a Administração Municipal é o aplicativo criado para aplicação do questionário, que reunirá as informações para a Prefeitura em um banco de dados, podendo ser utilizado em outros levantamentos.


Acesse aqui a live

Acesse aqui os dados de toda a pesquisa