20200518 AdrianoRosadaRocha PesquisaTestagemCOVID19 abre
Fotos: Adriano Rosa da Rocha
Iniciaram-se, na manhã desta segunda-feira (18), as coletas e entrevistas da pesquisa que identificará, por amostragem, o percentual de esteienses que já tiveram contato com o novo coronavírus (COVID-19). A iniciativa, parceria da Prefeitura com quatro instituições gaúchas de ensino superior (Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre – UFCSPA -, Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS -, Unisinos e Feevale), tem como objetivo traçar um perfil epidemiológico, genômico e clínico do vírus SARS-COV2, causador da COVID-19. 

Antes da saída dos pesquisadores, o prefeito Leonardo Pascoal e a secretária municipal da Saúde, Ana Boll, falaram sobre a importância da pesquisa como forma de mapear e nortear as próximas ações para enfrentamento da pandemia na cidade.

Divididos em duplas, cerca de 30 servidores da Prefeitura estão visitando esteienses, sorteados em 31 setores distribuídos em todo o Município e de acordo com o tamanho de cada bairro. Durante a visita, os pesquisadores, através de um aplicativo desenvolvido especialmente para ação, aplicam um questionário com o objetivo de identificar se os residentes apresentaram ou apresentam sintomas da doença, como febre, tosse e dificuldade para respirar, bem como também estão sendo coletadas informações sobre saúde, renda, cor da pele e idade, entre outros dados Após isso, os profissionais da saúde realizam a testagem rápida em todos os moradores da casa, coletando uma pequena amostra de sangue. Os resultados, obtidos em 15 minutos de espera, serão tabulados e analisados com auxílio de algorítimos e modelos matemáticos complexos, e apresentados para a Administração Municipal, permitindo ajustes nas ações de combate ao coronavírus. Pacientes que testaram positivo para a doença receberão acompanhamento especial.

Em 15 dias, os pesquisadores retornarão a campo e visitarão outras residências, também dentro dos setores sorteados. Essa coleta será realizada quatro vezes. Ao todo, serão cerca de 2 mil testados/entrevistados, o que representa 2,4% da população esteiense (só para se ter um comparativo, pesquisa semelhante na Capital vai chegar a 0,14% dos portoalegrenses). Esse percentual garante um resultado bem mais próximo da realidade. Cerca R$ 400 mil estão sendo investidos no estudo, valores utilizados para a aquisição de 2 mil testes rápidos e moleculares, kits de proteção individual e remuneração da equipe responsável pela coleta.

O levantamento inova ao realizar um amplo estudo epidemiológico, detalhado em 12 objetivos específicos, capaz de estimar a prevalência da infecção, acompanhar a evolução da doença, avaliar padrões moleculares virais por meio de sequenciamento genético e indicar evidências e estratégias para o fim do distanciamento social, entre outros possíveis usos.

A pesquisa também prevê o sequenciamento genético (análise da composição do vírus) das amostras positivas. Isso auxiliará a identificar padrões da doença, informações que serão comparadas com as disponíveis em bancos de dados públicos, no Brasil e no exterior, de pacientes com coronavírus e de casos registrados em outros surtos de síndromes respiratórias recentes (como a H1N1). A intenção é descrever a evolução do vírus, identificando suas eventuais mutações, as mudanças em sua capacidade de transmissão e a variação das manifestações clínicas apresentadas.

A Prefeitura também dará acesso aos pesquisadores aos relatórios de exames moleculares coletados pelo Município, com uma estimativa de 3 mil pessoas testadas, bem como ao prontuário eletrônico de pacientes que apresentarem resultado positivo para COVID-19 (desde que a pessoa autorize o uso das informações). A intenção é disponibilizar os resultados do estudo para a comunidade em geral em um painel visual online (dashboard). Outro recurso eletrônico que permanecerá como legado para a Administração Municipal é o aplicativo criado para aplicação do questionário, que reunirá as informações para a Prefeitura em um banco de dados, podendo ser utilizado em outros levantamentos.

gallery1 gallery1 gallery1
gallery1 gallery1 gallery1
gallery1 gallery1 gallery1
gallery1 gallery1 gallery1
gallery1 gallery1 gallery1
gallery1 gallery1 gallery1
gallery1 gallery1 gallery1