20180609 DjalmaCorreaPacheco EntregaObrasPracaEgidioJusto abre
Fotos: Djalma Corrêa Pacheco
Um importante espaço público foi novamente entregue para a comunidade esteiense. A Praça Irmão Egídio Justo, no Centro da cidade, revitalizada pela Loja Maçônica Aldebaran e pela Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Esteio (Acise) como contrapartida pelo uso dos prédios que ficam junto à praça pelas duas instituições, foi reinaugurada na manhã do último sábado (9) em uma solenidade com a presença de lideranças políticas e empresariais.

Em seu discurso, o prefeito Leonardo Pascoal lembrou do péssimo estado de conservação da praça quando assumiu a Administração Municipal em janeiro do ano passado. Pascoal disse que a Prefeitura buscou junto à Acise apoio para garantir a iluminação e cercamento do espaço e também renegociou com a Loja Maçônica o projeto de revitalização no geral, adequando-o à necessidade de Esteio e às possibilidades da entidade maçônica. “Esse espaço, por muitos, anos ficou abandonado, com acúmulo de lixo, com uso de drogas, com prostituição e uma série de outras coisas negativas. Hoje, está revitalizado, está bonito”, afirmou. Pascoal ressaltou também a parceria importante para a revitalização da praça, premissa que está sendo utilizada em outros locais. “É mais um espaço público que está sendo devolvido para a comunidade e mais uma vez fazendo uma espécie de Parceria Público Privada, envolvendo poder público, iniciativa privada, a sociedade civil organizada e as pessoas. Foi assim que fizemos no Ginásio da Vila Osório, que estava há mais de cinco anos abandonado, fechado, sem oferecer nenhum tipo de serviço para a comunidade”, exemplificou.

No final, o prefeito desejou que a comunidade ocupe o espaço. “Tenho certeza de que a partir de hoje a Praça Irmão Egídio Justo será local de muitas alegrias, de muita oportunidade de convívio em comunidade, que é algo que muitas vezes nos falta. Será espaço de felicidade, e que todos nós possamos dar nossa contribuição para fazer deste local um espaço alegre, conservado e bonito, que traga melhoria da qualidade de vida para nossa população”, afirmou.

Quem também fez um breve histórico do projeto foram os presidente da Loja Maçônica Aldebaran e da Acise, Carlos Augusto Bezerra Silva e Longuinho Musikant, respectivamente. Os dois aproveitaram para agradecer a dezenas de pessoas e empresas que colaboraram na realização do projeto com diferentes doações e atividades para angariar fundos. “E estamos contanto também com uma parceria enorme com o Executivo, que tem nos auxiliado para alcançar os objetivos que tivemos na ocasião da assinatura do acordo”, frisou Carlos Augusto. “Nós da Acise e da CDL contribuímos para que a sociedade tenha um novo ponto de referência em Esteio. Já percebemos muitas pessoas aproveitando esta praça”, destacou Longuinho, lembrando que, futuramente, a Faculdades QI estarão estabelecidas no prédio do antigo Clube do Comércio e a Acise estará instalada no prédio ao lado.

O presidente da Câmara de Vereadores, Sandro Severo, destacou o trabalho de todas as entidades envolvidas na revitalização e afirmou que o Poder Legislativo deu apoio ao aprovar o projeto. Sandro elogiou, ainda, a conservação e limpeza do Município. “Que sirva de exemplo o cercamento desta praça para que a gente possa controlar, monitorar e preservar os espaços públicos de Esteio. Esta praça revitalizada vai contribuir também para o crescimento econômico deste lado da cidade, o que também é muito importante”, disse.

No final da solenidade, o prefeito, acompanhado do vice-prefeito Jaime da Rosa e de outras lideranças, plantou uma muda de ipê branco, árvore símbolo de Esteio. Depois, o grupo Gitanas de Alma fez apresentação de danças e o pequeno Kevin Lourenço tocou uma música ao violino.

Antes chamada Praça da Bandeira, a Praça Irmão Egídio Justo homenageia uma importante liderança municipal. Irmão Egídio foi o primeiro diretor e um dos principais responsáveis pela construção da escola tricentenário La Salle, no ano de 1952, quando Esteio ainda pertencia a São Leopoldo.

 

Texto: Djalma Corrêa Pacheco

gallery1 gallery1 gallery1
gallery1 gallery1 gallery1
gallery1 gallery1 gallery1
gallery1 gallery1 gallery1
gallery1 gallery1 gallery1
gallery1 gallery1 gallery1
gallery1 gallery1 gallery1